sábado, 27 de dezembro de 2008

Vou abrir um Instituto!

Parece modismo, mas é! A onda atual é abrir Instituto para tudo. Os jogadores de futebol abrem institutos. O ex-presidente da República FHC montou o seu - e um incêndio quase destruiu tudo. A prefeita Marta está montando o dela. Todo mundo monta. Parece cavalo.
Existe instituto para todos os gostos, para todas as classes. Eu acho (me falaram, creio que é mentira etc) que o Carlos Lessa ex-presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) vai criar um Instituto para deixar claro que discorda da linha política do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles (Que assim que sair do BC vai abrir um Instituto sobre mercado financeiro).

O nosso querido presidente Lula, que segundo Lessa está sendo enganado pela elite nacional e internacional, já tem um Instituto, mas já falam que assim que ele deixar a presidência, vai criar outro para dar visibilidade para as suas políticas públicas.

Os sindicatos montam Instituto, as centrais sindicais montam Instituto. Os empresários para defenderem seus interesses criam os seus maravilhosos INSTITUTOS. Os aposentados criaram o seu e dependem financeiramente de um que nem sempre funciona.

As universidades públicas para ganhar um dinheirinho fundam institutos. Outros e outras para lavar um dinheirinho, bem legalzinho montam perfeitos institutos! Não são todos farinhas do mesmo saco. Há Institutos sérios e honrados que fazem um ótimo trabalho e merecem aplausos e muito apoio.

Para ser hipermoderno, ser participativo, estar antenado com as revoluções hipermodernas globalizadas é preciso ter Instituto. Um hiperinstituto...

Para saber se vai chover ou ter sol procuro um Instituto. O órgão que está enchendo o saco dos desenvolvimentistas brasileiros é um Instituto. Vamos fazer o seguinte, para destravar as licenças ambientais, iremos tirar a palavra Instituto do Ibama.

Temos Instituto para tudo e para todos. Creio que é a coisa mais democrática do mundo. Em breve teremos o Instituto do Instituto.
Portanto, vou montar o meu. Vou deixar um pronto, estruturado, para quando eu morrer eu não tenha que passar carão no caixão. Imagine a carpideira: "coitado! Ele queria tanto ter fundado um Instituto!" Eu, em vida e em carne e osso, assumirei os riscos da criação do meu Instituto. Um a mais não fará diferença...


Publicado em:
http://www.partes.com.br/ed53/colunagilberto.asp

Nos tempos de Bundas



Saudades de Bundas. Da Bundas que veio (vieram) e das Bundas que foi (foram). A Bundas era de bom tamanho, ideal para ótimas risadas e gargalhadas, nem muito grande, nem muito pequena, uma Bundas de palmos medidas.
A revista hebdomadária teve vida curta, mas foi suficiente para encher nossos olhos de boas bundas e caras de bundas por todo o país.
Tinha Ziraldo, Jaguar, Millor, Veríssimo, Chico e Paulo Caruso, Miguel Paiva, Angeli, Jô Soares, Aroeira e tantos outros mestres na arte de Bundar com alegria. Bundar com satisfação.

Mas Bundas caiu, digamos saiu das bancas muito rápido, deixando seus leitores inconsoláveis. Se o Pasquim já foi e já voltou, quem sabe um dia a Bundas volta.

Conduta ética num mundo corrompido

“Para que haja conduta ética é preciso que exista o agente consciente, isto é, aquele que conhece a diferença entre o bem e o mal, certo e errado, permitido e proibido, virtude e vício”, Marilena Chauí, em “Convite à Filosofia”.  

Cada dia mais vemos nossos sonhos e nossos heróis morrendo de overdose. Já no alvorecer do novo milênio, apesar dos discursos de mudança dos que pregam o advento de novos paradigmas e da revisão dos conceitos. Os desafios para a mudança de paradigmas e da construção da sociedade do conhecimento parecem parar diante da não inclusão das pessoas, do fim da cidadania e da afirmação do homem mercadoria, do homem consumidor.

A massa de aflitos, a massa de despossuídos sucumbem diante da permanência do não ético, da corrupção. 
A luta por uma sociedade igualitária parece não encontrar eco nas pessoas. O que vemos é o aprofundamento da crise ecológica, da opressão da mulher, o aumento do racismo e de toda forma de preconceito.
Mudanças no comportamento são solidificadas a passo de tartaruga, enquanto assistimos o velho filme da falta de educação, do aumento da pobreza. Tempo de incerteza e caos. Como sobreviver?

Publicado em:
http://www.partes.com.br/ed20/educacao.asp

Os Cafajestes


Os Cafajestes é um clássico do chamado Cinema Novo e foi lançado em 1962. O filme dirigido por Ruy Guerra foi marcado pelo impacto do seu tema, considerado ambicioso para a época: a devassidão de dois marginais cariocas. Numa época que a censura falava alto, Ruy Guerra teve seu filme mutilado. Glauber Rocha assim definiu o filme do diretor moçambicano radicado no Brasil: "Os Cafajestes possuía certa transcedência: densidade existencial, clima de determinado universo fechado numa mise-en-scène agressivamente pessoal, apesar de todas as influências facilmente identificáveis, principalmente de Resnais e Antonioni...é histórico: a formalização...não resistindo à evolução do cineasta em busca da unificação cultural logicamente estilísítica. Insolente, corajoso, anárquico e talvez moralizante. Um cinema em bossa nova". 

Os Cafajestes foi o filme de estréia de Ruy Guerra, que ficou famoso depois filmando, entre outros, Os Fuzis (que foi premiado no Festival de Berlin), Erêndira e A Ópera do Malandro.

O filme procura realizar uma crônica dos costumes da alta burguesia carioca, numa linguagem descontraída, explorando a sordidez do submundo do vício, do cotidiano de Copacabana. Foi um filme repudiado tanto pelo governo, como pela Igreja. Era tratado como uma mercadoria pornográfica.

Foi muito mutilado pelo seu produtor, Jece Valadão, que as executou sem autorização de Ruy Guerra.
Dois cafajeste, um pobre e outro rico. Jece Valadão ( que trabalho em mais de 50 filmes e produziu mais de 10) interpreta Jandir, o vigarista pobre, sujeito a todo tipo de frustração. Daniel Filho( sim, ele o conhecido diretor global), interpreta Vavá, filhinho de papai, que não se conforma em ficar sem dinheiro. Vavá arma uma grande chantagem e a vítima será seu tio, que é o maior depositante do banco de seu pai. A vítima a princípio seria a amante Leda (Norma Bengel), mas alertada por ela de que poderia tirar fotos nua que o tio de Vavá não ligaria, partem para cima de Vilma (Lucy de Carvalho), filha do milionário.

É nas praias de Cabo Frio, no entardecer, que o cenário da patifaria se arma.

Norma Bengell (ao lado), saída do teatro de revista, protagonizou o primeiro nu frontal do cinema brasileiro. A cena de quase quatro minutos em que a atriz fica nua pela areias e brinca com as ondas do mar causou polêmica. Norma fez depois mais de 70 filmes e dirigiu outros tantos. Sua atuação marcou época e presença na luta contra a discriminação da mulher.

Os Cafajestes pode hoje parecer ultrapassado, mas foi um filme que ajudou a mostrar que o cinema brasileiro tinha e tem qualidades. Era bem feito, um produto bem acabado e um cinema verdadeiramente brasileiro. 
Ainda hoje vale a pena dar uma corridinha na locadora e conferir porque até hoje é um filme inesquecível.

Hora de refazermos

Por Gilberto Silva

“Os filósofos se limitaram a interpretar o mundo de várias maneiras; a questão é transformá-lo” - Marx

Destroçados pela avassaladora avalanche de informações, contra-informações e completamente recheados com vivas à nova ordem mundial dita bela e uma, nós -pobres mortais, nascidos em um país de natureza colonial e de herança escravista, nos entregamos (melhor seria: entregaram-nos) de corpo e alma às ditas maravilhas do neoliberalismo.

Fomos proibidos de pensar a utopia socialista. O capital patenteou nossas vidas. Não só manda na ordem econômica, como nos domina por inteiro penetrando em nossas almas e fazendo nossa consciência.

Criaram o paradigma da modernidade, onde tudo que é passado é velho, retrógrado e careta. As novas lutas não podem ascender mudanças na estrutura do poder, das relações de produção. As lutas podem existir desde que fiquem restritas a seu segmento (gênero, raça, etc e tal...). Tudo pode, desde que não avance para além do espaço doméstico.

Precisamos de uma oportunidade para refazermo-nos. Recriar nossa vontade de mudança, nosso espírito de transformação que seja síntese do ecológico, feminista, do anti-racista, que desencarne as diferenças, as opressões e as exclusões do “globalitarismo”. A queda do “socialismo real” finalizou uma luta econômica, na qual os Estados Unidos da América aparecem como os vencedores e com ela a falsa declaração do fim das ideologias e com a expansão do modelo neoliberal, que trouxe desemprego e promove uma acumulação e movimentação de capital jamais visto na história da humanidade.

Presos ao luxo e aos restos dos lixos da modernidade do capital, presos ao poder da ideologia dominante (e aí daquela voz contrária!), esmagadora, com seu arsenal político-cultural sempre à disposição para a defesa da sua ordem. O mercado é o espetáculo e a imagem da vitória de uma única via, a única que nos apregoam como verdadeira e democrática. Seremos ainda cidadão? Mas, se não somos, podemos ficar tranqüilos já há a “empresa-cidadã”. Seremos cidadão-empresa?

“Por quanto tempo ainda aqueles que estão acordados vão fazer de conta que estão dormindo?”, questionou apropriadamente Viviane Forrester em O Horror Econômico.

Somos humilhados por sermos utópicos, por acreditar na mudança, ridicularizados ao extremo e posto de lado na sociedade. Devemos renunciar aos nossos princípios e resignadamente aceitar os novos paradigmas que nos impõem? Há espaço neste mundo globalizado para soluções regionais no campo econômico? Os que não são da fé globalizada estão realmente cegos?

Publicado em:
http://www.partes.com.br/ed13/reflexao.asp

Coisas do amor, do sexo, da vida (2)

Amarás o próximo?

Gilberto da Silva

É ainda poderosa a máxima bíblica "amarás ao próximo como a ti mesmo" posto que vivemos numa sociedade em que o egoísmo é muito forte. A competição, a busca pelo Belo (corpo perfeito, plásticas, dietas etc) e o impulso de destruição são condições de sobrevivência.

O egoísmo é uma forma de amor. O amor-próprio é considerado uma virtude para alguns e um vício para outros. Amar aos outros deve ser feito na mesma tonalidade que amar a si mesmo?

O amor a outro é uma forma de amar de redenção. "Assim me falou um dia o diabo:'Também Deus tem seu inferno: é o amor pelo homem'. E mais recentemente eu o ouvi dizer esta palavra:'Deus está morto; de sua compaixão pelo homem Deus morreu'." - Assim Falou Zaratustra, segunda parte. Nietzsche

Nietzche num poema escreve:

"Ama-se somente aos sofredores,

só se dá amor aos que têm fome:

presenteia antes a ti próprio, ó Zaratustra!"

É provável -não sou um estudioso e sim um bem superficial conhecedor da filosofia deste filósofo alemão, que ele queria reforçar a contradição entre o amor dos outros e o amor por si próprio. Esta interpretação deve estar inclusive na obra do Erich Fromm.

Amor visto como amar ao próximo é citando Jostein Gaader, sentir a devoção e a dedicação completa pelo outro. Creio não existir o amor pedaço, o amor que se dá aos poucos. Ou é amor ou não é.

É um fazimento, é um tornar-se amante, mas também devemos tornar-se um amante de nós mesmo. Devemos amar nosso eu para amar o outro, na mesma sintonia, na mesma diapasão.

Gilberto da Silva, jornalista e sociólogo é editor de Partes

publicado em:
http://www.partes.com.br/comportamento07.html

De que riem os democratas?

Gilberto da Silva

Este texto é uma retomada de uma reflexão feita há dez anos, em muitos aspectos tudo permanece igual. Exceto meus cabelos - que sobraram - brancos.

As barreiras físicas - ideológicas caíram com o ruir das pedras de Berlim. Com os restos dos cascalhos germânicos, iniciou-se a guerra ideológica dada desde o seu princípio como "ganha" pelos adeptos do neo-liberalismo.

Um direto de direita

A "direita" ri e exclama. O marxismo ruiu! Mais que depressa açodados pelos ventos do Leste europeu, determinam o fim da História.

Os intelectuais a serviço dessa ideologia - se bem que com raras exceções eles concordem em se denominar pensador de direita, proclamam os vários fins: "o fim da luta de classes; o fim das tiranias: o capitalismo venceu!"

Está aberta a temporada de caça, marxistas de um lado, neo-liberais de outro (Claro, não esquecer os que não tem lado nenhum...).

Picaretas em mãos: os muros desabam. Pedra sobre pedra. Um peso e um silêncio inquietante e intranqüilo. Não há mais meio termo: seja democrata e pronto! Até ai, tudo bem.

Na realidade tem muita gente que precisa de um direto de direita. Há gosto para tudo...



Vá ser gauche na vida!

Dentro da esquerda um debate logo se inicia, pensa-se em mudanças radicais, mudar os rumos, adaptar-se ao curso social democrata da história. Quantos não esboçaram um sorriso de felicidade ao ver o "Príncipe" tornar-se presidente? Os mais" radicais" esboçam reações: "Isto é uma ofensiva da burguesia, devemos resgatar o marxismo, recuperar a tradição crítica, humanista e revolucionária de Marx." Os debates florescem, adeus… às armas e adeus aos sonhos. Temporada aberta para debates...

Criam-se partidos com a finalidade de unir a esquerda, que dividida trabalhava para reunir as forças de oposição, que dividida não elabora uma tática - ou será estratégia? - para tomar o poder. Tomar o poder? Mas que expressão mais antiquada! - exclamam os adeptos do novo.

Como uma onda no mar

A onda neo-liberal invade as praias brasileiras, encanto radical, perspectivas pós moderna. Instaura a "ansiosidade" do novo (tudo é novo, até o velho reveste-se de novo - percebem como o brasileiro, além do "jeitinho" adora o que é novo), preparam-se imagens-produtos de homens sérios e competentes (?) É impressionante elegemos um elemento que cheirava novo e exalava podridão. Novo e bonito e não feio, sujo, malvado. Afinal, já disse o Joãozinho Trinta: "pobre adora luxo, intelectual é que gosta de pobreza".

Infelizmente parece que o "bom" é ser autoritário. O Brasil é a própria expressão dessa face: nem capitalista, nem democrata, um país com a vontade de ser grande, Primeiro Mundo. Estagna-se um sonho... Perpetua-se o regime da desigualdade e da miséria, quietos, mudos, impassíveis fingimos que somos felizes.

Mas, espera aí, dirão muitos, isto é muito pessimismo: afinal um frango já pode ser repartido em muitas casas, a moeda está estável, caminhamos lentamente para a modernidade, condenamos violentamente a violência - só contra os políticos, por que nós povinho estamos sendo violentados todos os dias - , etc.

Enquanto essa massa amorfa ilude-se com dramalhões mexicanos, ou ficam pasmos ao se identificarem com "O dono do mundo" (como o texto é re-eleitura, de um re-eleitor, digo: Terra Nostra). Os ideólogos de plantão re-pensam os conceitos. Re-examinam tanto, tanto que esquecem de se examinarem a si próprio.

Reinventando

Fala-se em reinventar a política. Para quê. Por quê? Voltam as alternativas culturais: "preciso iniciar um processo pedagógico". Pedagógico para quê e quem? Fala-se em ética. Muito bem ética é fundamental. Mas que ética?

O fazer política, hoje, passa por um questionamento do modo de vida, do corpo, do tempo, das relações pessoais, etc... Enquanto estes questionamentos não são feitos, cresce no cenário internacional o racismo e a beligerância.

Como lidar com categorias tais como revolução, luta de classes... (veja: Minorias e maiorias) Revolucionar o que? Para quem? Perguntas. Perguntas... acrescentem perguntas.

Seria sustentável a contraposição entre "modernos" e "ortodoxos"? Mas se o "socialismo morreu"? escafedeu e se o "neo" e "old" liberalismo só destrói utopias e esperanças, que fazer?

Que motivo tem os totalitários para rirem, tentarem se reerguer? Força física para enfrentar a desigualdade? Há esperanças num mundo marcado pela falta de democracia, da liberdade e da VERDADE?

Mas, "se tudo que‚ sólido desmancha no ar", de que riem de os democratas? Miremos: Fujimori, massacres, violência, fome, drogas, golpes militares, eleições fraudulentas...... e uma lista interminável que cabe a você caro leitor completá-la.

Gilberto da Silva, editor de Partes, é jornalista e sociólogo
Publicado em:
http://www.partes.com.br/reflexao03.htm

O político e suas obras

Gilberto da Silva

Vejamos algumas palavras a respeito dos políticos (alguns) e de suas milagrosas obras (se é que elas realizam milagres!).

Obra é construção, trabalho, produção. Mas no vocabulário político obra é visibilidade, matéria de publicidade quase que infinita, repleta de concreticidade (a do concreto), um out-door permanente. As obras dos políticos são geralmente dotadas de superfaturamento com estilos faraônicos e imponentes. Diríamos, em alguns casos, até que repletas de negociações paralelas: UM LEILÃO AMBULANTE. Quem dá mais? Leva!

As obras legitimam o dinheiro público. Os políticos e seus gastos exorbitantes realizam a passagem espetacular do público para o privado!

E tome concreto, ferro, cimento... E tome propaganda, placas comemorativas. Viadutos, estradas, calçadas, obras inaugurais que nunca terminam. Haja cimento para tanta civilização!

O maior prazer do político obreiro é construir, reconstruir, reformar, derrubar, erguer, reerguer, mudar e transformar. É o político em construção. O político obreiro parece ser alicerçado pelas guias da corrupção, plantado e alimentado pelo sistema, que ele mesmo controla. Seremos felizes com tantas obras?

Washington Luis, ex-presidente do Brasil, o mesmo que (dizem) criou a frase "a questão social é caso de Polícia" elaborou uma obra prima do pensamento nacional: "governar é abrir estradas." Desde então nossos audazes políticos obreiros de plantão teimam em conduzir radicalmente essa máxima. "É cobrir águas", dirão alguns olhando para as águas lamacentas dos rios poluídos das cidades. A questão social - a obra social - não é obra?

A política social é invisível, não permanente, requer manutenção a todo instante. Política social não ganha eleição. São obras de ficção as implantadas na saúde e educação, você lê, olha os projetos, pensa que é verdade, real, mas é pura obras dos sonhos. A invisibilidade não ganha governos, não produz líderes, impossibilita o domínio do poder.

As obras são urnas fixas, latentes, imponentes. Para o "político obreiro", as obras não são meios, são fins. Retrato fiel de um objetivo claro: dar aparência ao real. É como o homem que só se satisfaz na vida ao ter um filho, produto do seu ser, reprodução do seu EU. Mais Narciso impossível. Um político insinuava que o oceano era sua obra, se houvesse uma construção na lua seria possível reivindicar para si a autoria. Mas ele tentou ser esperto: inventou uma obra humana, um mal sucedido clone. A obra é do homem e o bicho não come.

O político -e suas obras, matreiramente refaz milagres, transforma água em vinho, despolui rios, transforma a natureza e os bolsos, os nossos e os dele.

Ao colocar as "mãos à obras" condenam à degradação a natureza e os seres mortais.

Gilberto da Silva, editor de Partes, é jornalista e sociólogo
publicado em http://www.partes.com.br/reflexao02.html

Visitando os amigos no inferno

De uns tempos para cá passei a visitar amigos, colegas e companheiros de longa jornada, depois de um certo tempo de distanciamento e isolamento devido à imersão ao mundo do trabalho, mudanças geográficas e nova constituição familiar.

Durante este início de visitação comecei a observar algumas coisas interessantes, algumas já tinham passado pela minha cabeça, mas não tinha parado para pensar nestas questões.
A TV, a internet e todo o aparato tecnológico virtual afastou as pessoas do convívio, da prática do receber, da conversa olho no olho. Distantes, as pessoas entram em imersão acelerada, sem rumo, direto ao isolamento do corpo, enquanto sua alma vagueia pelas ondas etéreas. Pessoas que perderam o hábito de receber pessoas, tal o grau de isolamento no seu lar e no umbigo da própria família.
Bom, iniciei este processo de visitação crente que o inferno é aqui e que não está em outro lugar imaginário, em sonhos acordados. O paraíso é o lugar dos que sobrevivem a este inferno. E para chegar a este paraíso, talvez bastará uma boa dose de tolerância, honestidade e amor (em todos os sentido da palavra /amor/).
Diante destas observações passei a procurar e conversar com estes amigos. Pode ser uma tentativa de ir pagando os pecados, fazendo meu caminho para o paraíso. Voltei a apreciar um bom cafezinho quente servido em bandejas de todos os tipos ou tomados numa mesa posta com gentileza.
Quantos livros nas estantes revelando o perfil das pessoas!! Quantos CDs e DVDs ilustrando gostos, fantasias e paixões! Procuro não chegar na hora do almoço, pois tal atividade hoje é um incomodo para as mulheres e muitos homens nem se dignam a fritar um bife (ainda que meio ambientalistas eu não larguei o hábito de degustar um bom bife!). Por outro lado, as famílias pós-modernas preferem as cozinhas dos restaurantes, dos fast-food e dos bares. Cozinhar virou um transtorno... Também prefiro não ficar para o jantar, antevejo uma pizza repleta de óleo brilhando na mesa dizendo: vai logo embora, cara....
Procuro ser rápido, sinto que depois de alguns minutos os assuntos já se esgotaram, principalmente se sou convidado a assistir algum programa na televisão (neste caso, prefiro ver lixo em casa: lá eu reciclo da minha maneira)
Lembro-me bem da minha infância e os meus pais recebendo visitas sempre com um bule chamegando café "fresquinho" e uns bolinhos de fubá na mesa...
Quando questionado porque minha esposa não está na visita, digo que meu casamento não é siamês e que meus amigos não são necessariamente amigos da minha esposa e vice-versa. Digo isto de forma serena, tento ser delicado para não melindrar as esposas preocupadas com a visita de um amigo "solteiro". e não há submissão nisto: "a submissão é hipócrita" versa o biólogo Maturana.
E por falar nestas questões, deixarei para visitar minhas amigas em outra ocasião, dado a complexidade que é visitar mulheres. As casadas serão mais complicadas: como explicar aos maridos que a visita é apenas um amigo? Sempre ficará um questionamento na cabeça do sujeito. "Será que este cara já saiu com minha mulher? Está saindo? Pretende sair?"
Quando começarei a visitar amigas solteiras? Bem isto é mais complicado.... e outra história.

publicado em 15/12/2008 - www.partes.com.br

Sexo Mercadoria

Todos querem uma sociedade justa (pelo menos os mais ajuizados...) Num instante histórico em que a individualidade é a forma mais nefasta presente na sociedade, não vejo motivos para mudanças tão breve. Mas minha fé utópica permanece.


Prezam os sujeitos pelos gozos imediatos. Prezam os sujeitos pela satisfação total, mas esquecem de combinar com suas respectivas parceiras. No mundo da mercadoria, sexo é embalado à vácuo. Sexo é mercadoria: e alguns sujeitos levam isto tão à sério que arrumam mil artimanhas para ganhar dinheiro com este produto. Bom ou ruim, não é esta a questão, o problema é quando chega ao estágio doentio da mercadoria.
Na sociedade pós-moderna (e aqui compactuo com as premissas de Fredric Jameson), o corpo magro e esguio é o modelo de venda tanto para mulheres como para os homens. A imagem do corpo perfeito é moldada pelos meios de comunicação. Uma imagem tecida lentamente e que penetra em nossas almas tão sorrateiramente a ponto de não percebermos seus efeitos imediatos.
Diante da vontade das massas, vomitai, emagrecei.... Tente você viver sem essas cobranças...
A sociedade pós-moderna acredita que uma pessoa sexualmente satisfeita é uma pessoa feliz. Daí a frustração. O sexo é maravilhoso (muito bom) e devemos muito praticá-lo, mas não é a totalidade. Um dos tópicos centrais da fantasia narcísica de felicidade é a realização imediata do desejo.
Outra frustração: o tesão pelo dinheiro, pelo consumo imediato. A felicidade reside neste espaço?

publicado em 14/08/2007 - www.partes.com.br

Blindagens do real

Chega de blindagens do real. O ser blindado perdeu sua identidade e suas referências. Não há ação social efetiva com seres desvinculados de um cotidiano violento e inseguro.

O primeiro movimento de fuga -sob o manto da "proteção" -foi o realizado pelas elites, já na década de 1980 e mais acentuadamente na década de 1990, deslocando-se para os chamados bairros "alfaviles" e seus similares. Preocupados com a violência, os assaltos e a insegurança pública, esta parcela da sociedade preferiu encastelar-se em suas mansões protegidas por seguranças, cercas elétricas, câmaras etc. Pensaram que a arquitetura do isolamento acabaria com seus problemas. Ledo engano.
A pobreza e a exclusão permaneceram. Pior, em muitos lugares mesmo com todo este aparato de segurança, os casos de assaltos, arrombamentos e invasões de condomínios persistiram. A arquitetura cedeu seu lugar para uma espécie de antropofagia urbana, onde os mais fortes vão comendo os mais fracos.
Outro movimento foi - e está sendo realizado em escala acentuada - o da blindagem dos automóveis isolando os indivíduos, tornando-os um estranho no meio da urbe. Reclusos numa atmosfera de ar condicionado, luxo desigual, blindagem dos vidros, alarmes e seguranças: tudo como uma imagem virtual.
De nada adiantou... de que adianta?
Enquanto estes senhores e blindam e levam seus filhotes de cachorros para "pets" e lá deixam cerca de R$ 1.000,00 por mês para manter este mimo. Nada contra tratar bem os animais domesticados. Lá fora, as crianças pedem o mínimo... Quanto custa uma doação para uma instituição séria que contribui para melhorar a qualidade de vida destas pessoas, dando-lhes cidadania e dignidade?
Lá na ponta, na periferia, muitas associações precisam e pedem ajuda para se manter e tentar tirar da exclusão centenas de crianças e adolescentes da marginalidade. Uma luta dura, séria e geralmente sem recursos. Quanto custa uma criança na escola? Quanto custa tirá-la da marginalidade? Uma ação aqui outra ali, mas é muito pouco.
A elite prefere dizer que isto é problema do Estado... Prefere remeter ao sistema corrompido as mazelas da sociedade.
O Estado já sabemos o que não faz...
Enquanto isto vejo na TV que um trabalhador no Piauí, recebe R$ 5 reais por dia (R$ 200,00 por mês) para derrubar folhas de carnaúba e alimentar um rico negócio lá na outra ponta da escala de produção. Trabalho duro efetuado das 5 horas da madrugada até as 14 horas do dia sob sol ardente. E este trabalho só durará 4 meses, nos outros o trabalhador estará desempregado. R$ 1.000,00 (o valor do gasto no pet-shop) representa o que este trabalhador vai receber durante cinco meses de intenso trabalho debaixo do sol escaldante do Norte.
Os seres blindados da realidade, não sentem as agruras do real, muito menos o sol escaldante do Norte (a não ser em seus espirituosos passeios turísticas de "aventura"). Estes sujeitos blindados são como seres vivendo numa espécie de "second life": preferem viver uma "realidade fabricada". Só se dão conta quanto a violência bate na sua porta. A blindagem não é só no carro, parece já ter chegado no corpo, na alma.
Digamos que cansei sim, cansei da hipocrisia das elites que preferem isolar em "sua realidade" e ignorar a verdade real e não enfrentar o desafio da exclusão e da diminuição da violência.
A culpa é sempre dos outros. Nunca nossa.

publicado em 08/10/2007 - www.partes.com.br

Os assassinos de Wall Street

O escritor português José Saramago - Prêmio Nobel de Literatura de 1998 - em recente entrevista a um jornalista brasileiro (agora aqui com meus carcomidos botões não lembro o nome, mas é funcionário da Globo News) soltou seus verbos contra os especuladores que estão levando milhares de pessoas no mundo todo ao desemprego e desespero.

Concordo plenamente com o letrista de Memorial do Convento. Por conta de uns poucos gananciosos, especuladores, já com os bolsos repletos de dinheiro ganho às custas do sofrimento alheio, estamos sendo chamados a pagar por uma crise que não construímos....
Toma lá dinheiro público para socorrer os assassinos!
Aos mortos, só a cova. Aos que restaram em pé, famélicos, a benevolência estatal.
À sombra mais escura da grave crise da década de 1930, a nova crise de proporções globais deve sagrar-se como a mais profunda na história do capitalismo.
Especula-se, em algumas rodas, se o capitalismo está em seu último grito agonizante. Outros, mais integrados, teimam em afirmar que é uma crise passageira. O tempo dirá... Será o fim do Império americano????
Será o início de uma nova polaridade, e o surgimento de um novo Império? Que cenários possíveis, dentre tantos desenhados? China, outros mundos... especulações.
Algumas velhas histórias - contadas por velhas raposas e repetidas por velhos corvos - voltam na tela, mas quem dá conta da racionalidade individual e a irracionalidade do sistema como um todo... Buscarão os homens novas utopias para continuar vivendo o sonho, a recriação eterna da esperança?
Insaciáveis, insaciáveis estes corvos da humanidade, vampiros letais de uma sociedade sem ética, espetacular. Seja lá de que forma esta crise vai acabar, mas assim como no Brasil, os assassinos de Wall Street continuarão soltos, pirilampos, vampirizando os cofres públicos, se nada acontecer de diferente, é claro!

publicado em 04/08/2008 - www.partes.com.br

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Cultura de Paz e Educação Sustentável é tema de curso do Instituto Ecoar

Correlação entre atitudes de paz e preservação ambiental serão discutidos em último curso do ano do Ecoar
Tanto as questões ambientais quanto as ligadas ao respeito aos seres humanos estão em constante foco pela mídia. Crimes bárbaros, desmatamentos, seqüestros, extinção de espécies são apenas algumas pautas que encontramos diariamente. A correlação entre essas duas necessidades - a preservação do meio ambiente a cultura de paz - é foco do último curso do ano do Ciclo de Cursos do Instituto Ecoar que acontece no próximo dia 7 de novembro. Apresentado pela Educadora ambiental e pedagoga com especialização em administração escolar Débora de Lima Teixeira, acontece na sede do Instituto, na Rua Rego Freitas nº 454, 2º andar, na Vila Buarque.

Apresentadora

Débora de Lima Teixeira - Pedagoga pela Faculdade de Educação da USP, com especialização em Administração Escolar. Técnica em projetos de educação para sustentabilidade.

Serviço
Ciclo de Cursos do Instituto Ecoar
Meio Ambiente e Cultura de Paz
Data: 7 de Novembro
Horário: 9h às 18h
Local: Instituto Ecoar - Rua Rego Freitas 454, 2º andar, Vila Buarque (SP).
Investimento: sob consulta, desconto para grupos estudantes e professores.
Contato: (11) 3129-5765
E-mail: fale@ecoar.org.br

SP fiscaliza indústrias para banir amianto

Secretaria da Saúde

(11) 3066-8701/8702/8708

Durante todo o mês de novembro, técnicos da Secretaria de Estado da Saúde realizam inspeções em cerca de 40 empresas no Estado para verificar se ainda há utilização do amianto na linha de produção. O uso deste tipo de matéria-prima está proibido em todo o Estado de São Paulo em respeito à Lei 12.684, de 26 de julho de 2007.

A empresa que for flagrada usando amianto terá 60 dias para substituir a matéria-prima. Quem não cumprir a determinação poderá ter a fábrica interditada. A inspeção é realizada pelo Centro de Vigilância Sanitária em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego e os Centros de Referência em Saúde do Trabalhador regionais.

Saiba mais

http://www.saopaulo.sp.gov.br/sis/lenoticia.php?id=100189

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Ricino?

estão promtendo biodiesel a partir de óleo de rícino (poderoso laxante). Será possível?


Três empresas (todas israelenses: Ormat, da área de energia; Evogene, de tecnologia agrícola, e Lev Leviev, do ramo imobiliário resolveram se unir para produzir biodiesel a partir de óleo de rícino cultivado inicialmente em campos da Namíbia, na África Ocidental. A nova joint venture tem o nome provisório de Leviev-Evogene Namíbia.



De acordo com Liat Cinamon, executivo da empresa, o óleo de rícino apresenta maior produtividade do que outras matérias-primas do biodiesel, como a soja e a canola; e a planta se comporta bem em solos pobres.

Esperar pra crer e ver.

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Lançamos o PUM!

O PUM é um partido revolucionário, devastador, irreverente e coerente com seus princípios norteadores. É um partido fiel aos seus fundamentos. O PUM vem para alastrar seu conteúdo programático para toda a atmosfera planetária. Sim, o PUM é planetário. É um partido que pretende atingir todos os países, portanto, é internacionalista. Trotski sorrirá de alegria, esteja onde estiver, pois o PUM veio para apagar a arrogância daqueles que teimam em ser os parasitas da Revolução!

O PUM é ecológico, transformador e pretende dissipar suas energias pelo planeta de forma universal, limpa e dinâmica. É um partido que vai proteger a reserva da biosfera ajudando na conservação das áreas verdes, no processo de urbanização e expansão urbana, na sustentabilidade do ambiente. Não haverá espaço para reprimidos, nem seremos repressores. Seremos o partido da liberação da energia vital que governa os homens.

Num cenário positivo, o PUM pretende ser a válvula de escape da juventude perdida. Não será necessário mais drogas, basta viver no PUM! No campo do gênero, o PUM pretende ser o partido mais democrático de todos, deve-se fazer respeitar. Homens e mulheres devem exercer seus poderes em igualdade e liberdade. Assim também para todas as minorias que a cada dia deixa de ser minoria.

O PUM segue a máxima marxista de que "tudo se transforma" do que "tudo que é sólido desmancha no ar". É socialista, pluralista, sexista, democrático e humanista em sua essência. O PUM veio para não ficar preso a nenhuma engrenagem. O PUM é liberação da pura energia da população reprimida. Repressores do mundo: "Mene, mene, tekel upharsin" (Teus dias estão contados). Chega de injustiça social.

O PUM vem para exorcizar o fantasma que reprime os políticos nos Congressos, nas Assembléias e liberar as imensas possibilidades de renovação teórica e prática. Seremos uma referência democrática e popular.

O PUM é pela liberdade de imprensa, pela democratização dos meios de comunicação. o PUM é o próprio produto do Canal!

Queremos articular uma rede de militantes que honrem a causa, que literalmente borrem as calças... nos barros, nas lamas.... Fará corpo a corpo com toda a população nos bairros e vilas. Nossa militância não se deixará enganar e estará vigilante contra todo o tipo de manipulação.

Lutaremos contra as fraudes dos institutos de pesquisas que na tentativa de enganar o eleitor vão querer passar um idéia preconceituosa do PUM. Lutaremos contra este golpe tantas vezes já tentado. Nada de estatísticas falsas sobre o PUM!

O partido não quer a Revolução nem pela direita, nem pela esquerda, nem pelos lados. Queremos sair pelo meio! Somos fisiologistas!

À luta companheiros! À luta companheiras! Vamos construir um PUM de verdade! Longa Vida ao Partido da Unidade do Meado!

O Homem Banana

Mulher Moranguinho. Mulher Melão. Mulher Laranja. Mulher Melancia. Mulher Samambaia. Mulher Pêra. Mulher Jiló e uma infinidade de mulheres vegetais e animais. Uma verdadeira salada de fruta inunda a tela da televisão brasileira. Um show de tetas, bundas, celulites e “erotismo vegetal”. É “inaCRÉUditável” como somos submetidos à batida erótica funk em qualquer hora do dia. Os dotes curvilíneos das “pop star” sacodem, balançam os lcds das nossas casas erotizadas pela forma mais incorreta do mundo. Um show de curvas em praias e palcos. Fica tudo extremecido... tudo?

O jovem mata, guarda o corpo e depois vai assistir o “espetáculo” da Mulher Melancia. Refeito da bundagem explícita, volta para esquartejar o corpo singelo da inglesinha aventureira. Olha a carne e prepara o defunto. Um horror. Assim fez o amante de Chuck, o boneco assassino (Charles Lee Ray, que encarna o boneco é no famoso filme uma "homenagem" aos famosos assassinos Charles Manson, Lee Harvey Oswald e James Earl Ray). Assim caminha a humanidade pobre...

Bananas, assim parecemos estar. Homens bananas voltados para assistir um show demência. Um cruel espetáculo carnívoro onde celulites se confundem com o doce sabor do sexo.

O Homem Banana parece aplaudir e mostra-se ávido para participar da salada de frutas. E dane-se Freud que parecia querer encontrar homosexualidade em tudo, Édipo em tudo. O importante para o Homem Banana é o balanço “glúteal” sincopado. Viva a sociedade vegetariana das peras, melancias, melão e outras guloseimas vitaminadas da nossa pobre sociedade do mercado.

Descascadas as bananas, nada sobra.

Não é moral, não é bom costume: coisas arcaicas que sempre arvoram múmias conservadoras. É o desrespeito à mulher, à sua beleza e erotismo. É puro desrespeito aos homens não bananas, aos homens HOMEM.



PS. Adoro comer bananas, principalmente porque me ajuda na luta contra as câimbras...

sábado, 7 de junho de 2008

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Concordância


O sujeito é simples
um elemento bom,
objeto direto de todos os negócios.
Não leva o anteposto
feito concreto, parado, imóvel,
sujeitos resumidos por tudo, nada, ninguém.
Unidos ou infinitos a espera de um artigo qualquer, ou simplesmente unidos por nem, ninguém.
O coletivo, somente alguns sujeitos, um e outro, nem e outro,
concordando ou não unidos ou desfeitos.
Simples sujeito.

ilustração: Nina Rocha

terça-feira, 13 de maio de 2008

A posição do Greenpeace sobre a saída da Marina Silva

Marina pede demissão e leva junto a credibilidade ambiental do governo Lula

Ministra do Meio Ambiente saiu sob pressão do agronegócio e dos defensores do crescimento a qualquer custo. Seu substituto já foi anunciado: Carlos Minc, atual secretário de Meio Ambiente do Estado do Rio de Janeiro.

São Paulo, 13 de maio de 2008 - Pressionada por setores do agronegócio, governadores de estado e políticos da bancada ruralista, a ministra Marina Silva, do Meio Ambiente, entregou nesta terça-feira sua carta de demissão ao presidente Lula, de caráter irrevogável. Era a última pessoa no governo a defender o meio ambiente e uma política de desenvolvimento sustentável. Com sua saída, a ala do crescimento a qualquer preço, capitaneada pela ministra Dilma Roussef, venceu o cabo-de-guerra contra aqueles que buscavam conciliar desenvolvimento com sustentabilidade.

O novo ministro do Meio Ambiente já foi anunciado: Carlos Minc, secretário de Meio Ambiente do Estado do Rio de Janeiro e deputado estadual do PT-RJ.

Marina Silva caiu porque não suportou as pressões para que fossem revistas medidas de combate ao desmatamento e de punição a quem destrói a floresta amazônica recentemente anunciadas pelo governo federal, como a determinação para que os bancos (oficiais e privados) só concedessem créditos a proprietários de terras que não desmatassem e regularizassem suas terras no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Políticos da região amazônica, como o governador do Mato Grosso, Blairo Maggi, e pesos-pesados do agronegócio vinham exigindo do governo uma posição mais favorável ao setor, o que provocou constantes choques com o Ministério do Meio Ambiente.

"O pedido de demissão da ministra Marina comprova o descaso do governo Lula com a causa ambiental e também com a proteção da Amazônia", afirma Paulo Adario, diretor da campanha de Amazônia do Greenpeace. Segundo ele, Marina sai e leva junto a toda a credibilidade que tinha transferido para o governo Lula nos últimos cinco anos.

"Ela vai embora e leva junto essa roupa de credibilidade ambiental, deixando o rei Lula completamente nu", critica Adario.

Marcelo Furtado, diretor de Campanhas do Greenpeace, diz que a demissão da ministra é uma crônica de uma morte anunciada.

"O governo Lula já vinha dando vários sinais de que, para ele, a agenda ambiental era uma pedra no sapato", afirma Marcelo Furtado, diretor de Campanhas do Greenpeace.

"A liberação dos transgênicos no país, a retomada do programa nuclear brasileiro, com o anúncio da construção de Angra 3 e outras quatro usinas nucleares no nordeste, são apenas algumas de várias ações que demonstraram o compromisso do governo Lula com o desenvolvimento a qualquer custo e não com a sustentabilidade."

UM VÔO PARA O PASSADO

A saída da ministra Marina Silva acontece um dia antes da chegada da primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel ao Brasil. A Alemanha é a atual sede da Conferência da ONU para a biodiversidade, que nasceu no Rio de Janeiro na Eco-92 e tem como sua atual presidente justamente a Marina Silva.

"A Marina iria passar o cargo para o ministro alemão de Meio Ambiente, durante uma solenidade muito aguardada pela primeira-ministra Merkel, que pretende marcar sua gestão como ambientalmente correta", afirma Paulo Adario. "Mas o Brasil que ela verá durante sua visita é diferente do país que existia antes dela sair da Alemanha. Aquele Brasil não existe mais, com a saída da ministra Marina. Durante o seu vôo, o Brasil mudou, e para pior. Voltou a ser um país da década de 1970, quando a questão ambiental era equivocadamente considerado um entrave para o desenvolvimento do país."

O que falam sobre a saída de Marina Silva

"Independentemente do motivo, é uma perda grande para o governo e para o país. É uma ministra excelente que conhece bem o funcionamento do ministério e do partido"
José Eduardo Cardozo -
secretário-geral do PT

"O ministério cumpriu sua missão e cumpriu de maneira muito boa. Esse assunto é de foro íntimo da ministra e só ela pode explicar os motivos"
Sibá Machado - senador (PT-AC)
"É um desastre para o governo Lula. Se o governo tinha uma credibilidade mundial na questão ambiental era por causa da ministra Marina"
José Cardoso da Silva - vice-presidente para a América do Sul da Conservação Internacional

"Espero que o próximo ministro não seja tão radical quanto a Marina. Ela era uma barreira para o desenvolvimento econômico do Brasil"
Rui Prado - presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do MT

"As forças mais destrutivas para a Amazônia exigiam a saída dela. O governo Lula deu o Plano Amazônia Sustentável (PAS) na mão do Mangabeira Unger. Isso obviamente foi uma tapa na cara da ministra"
Frank Guggenheim - diretor-executivo do Greenpeace

"Eu desejo, que se for possível, haja uma reconsideração por parte da ministra"
Ideli Salvatti (PT-SC) - líder do partido no Senado

"As propostas que apresentávamos, os problemas como área legal, ela fazia ouvidos moucos. Acredito que o bom senso agora deve prevalecer. O meio ambiente é uma ciência e não deve ser tratado ideologicamente. Ideologia é inimiga do meio ambiente"
Alberto Lupion - agropecuarista e empresário

"Uma pessoa que tem o histórico da senadora Marina e que seja um referencial, inclusive lá fora, perante a comunidade ambientalista do mundo, acho muito difícil encontrar substituto à altura. Tomara que o governo não tenha feito a opção do desenvolvimento em detrimento do meio ambiente"
Jefferson Peres (PDT-AM) - senador

"Ela não estava preocupada com o desenvolvimento do país, não que a questão do meio ambiente não seja importante, é muito importante, mas ela nunca pensou no desenvolvimento sustentável, ela sempre pensou no 'não' desenvolvimento"
Glauber Silveira - presidente da Ass. dos Prod. de Soja de MT

sábado, 26 de abril de 2008

Natureza clama

Talvez alguns queiram a natureza assim: fechada, envolvida num manto, preservada de todos e de tudo. Talvez outros não queiram. É como uma oração, um cântico, uma adoração.

Mas a natureza ainda teima, queima, aflora. Uns a querem apenas na forma de alimento, que forre o estomago, outros a querem como alimento para a alma.

Natureza morta? Não, muitos a querem com sobrevida, como relíquia, como foto de demonstração.

Natureza viva? Não, muitos nem pensam nela, só em seus impávidos umbigos e seus largos bolsos, cheios de lama.

A natureza ainda clama, sua vida, sua chama...

Foto: Jardim Botânico/Curitiba por Gilberto da Silva

Desmatar é o remédio...

Em entrevista à Folha de S. Paulo, neste sábado, 26 de abril, o governador de Mato Grosso, Blairo Maggi (PR-MT) avaliou que será preciso encontrar uma "posição intermediária" que assegure o aumento da produção agrícola.
"Com o agravamento da crise de alimentos, chegará a hora em que será inevitável discutir se vamos preservar o ambiente do jeito que está ou se vamos produzir mais comida. E não há como produzir mais comida sem fazer a ocupação de novas áreas e a retirada de árvores."
Durma-se com uma declaração desta!!!!!

quinta-feira, 24 de abril de 2008

Descarte de pilhas

A redação da Partes recebeu um e-mail indignado de uma leitora de Brasília, Regina de Paula, sobre o não cumprimento da Resolução 257/263 de 30/06/99, que trata do descarte de pilhas. "estou indignada com algumas leis que são criadas, e que na prática não funciona" diz a leitora. Regina tenta descartar corretamente mas não encontra nenhuma empresa que receba este material ou que possa ajudá-la.  Fica registrado o apelo da leitora. Quem pode ajudar????

terça-feira, 22 de abril de 2008

Paulo Pobre

Paulo pobre

Paulo, pobre, preto

Pedreiro, pobre

Pedindo pão, pinga

Paulo patriota

Pagando promessa.

Paulo, pobre, pacato

preto, pedreiro

Pagando promessa

Pedindo pão, pinga.

Paulo pintor parado

Ponto pequeno,

Proletariado.

Paulo passado

Prometendo pagar

Preces, pensamento

Pular, pecar.

Perdendo poder

Patriotismo

Perdendo pátria

Pronto pra prisão.

Pedindo perdão

Perigo, procedente

Piegas

Pedindo passagem

Pulando ponte

Paulo pagando

Prometendo pagar

Pecando

Paulo procedente piauiense

Ponto populacional paulistano

Passando piche

Pintando porta

Paulo pirado

Perdido.

Gilberto da Silva

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Casa na Ilha


Próximo ao farol,
a barra, a terra, o sol iluminando uma bela paisagem.
A praia, as pessoas atentas, belezas ao céu que azul, nuvens claras transmitem saudade.

sábado, 19 de abril de 2008

Ribeirinhos, desenvolvimento e a sustentabilidade possível

Publiquei no site da P@rtes em 2005 um artigo de  Josélia Gomes Neves, professora da Universidade Federal de Rondônia - Campus de Ji-Paraná. Republiquei novamente pela pertinencia do texto que pretende estabelecer uma reflexão sobre a "população tradicional identificada como ribeirinha, povos habitantes da Amazônia, articulando a sua existência a possíveis alternativas de desenvolvimento, considerando o contexto em que estão inseridos e do que é possível produzir, num processo que leve em conta a sua relação com a natureza".
O artigo da professora merece ser lido à luz das várias besteiras que se falam pela mídia sobre os povos ribeirinhos e refletir "paulofreireanamente" sobre o "oprimidos" que não são ouvidos como fontes para a realização das máterias quer inundam nossoa jornais.
Leia o artigo na íntegra em: Ribeirinhos, desenvolvimento e a sustentabilidade possível.

sexta-feira, 18 de abril de 2008

Dando nomes aos...

A Secretaria Estadual do Meio Ambiente - SMA promete divulgar no dia 23 de abril de 2008 o relatório apontando os nomes das 100 maiores indústrias emissoras dos gases geradores do efeito estufa do Estado de São Paulo. O anúncio será feito pelo secretário Xico Graziano durante a reunião do CONSEMA - Conselho Estadual do Meio Ambiente. O encontro, previsto para ter início às 9h, na sede da SMA, em São Paulo (Av. Prof. Frederico Hermann Jr., 345 - Alto de Pinheiros), contará com a presença do idealizador do inventário, o ex-secretário do Meio Ambiente José Goldemberg, e do presidente da CETESB - Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental, Fernando Rei.


A identificação preliminar das indústrias com maior potencial de emissão do CO2 (dióxido de carbono de origem fóssil) no Estado foi obtida a partir da aplicação dos critérios para avaliações das emissões de CO2 do Intergovernmental Panel on Climate Change - Guideline for National Greenhouse Gas Inventories - IPCC/2006 e da Diretiva da Comunidade Européia, de 1996, sobre a base de dados dos empreendimentos licenciados pela CETESB.

terça-feira, 15 de abril de 2008

mapeamento socioambiental

Estudo inédito realizado por pesquisador da PUC-SP revela que o mapeamento socioambiental ajuda a entender epidemias virais em países tropicais. O estudo afirma que a intensa degradação ambiental provocada pelo homem nesses locais afeta especialmente as florestas tropicais, portadoras da maior biodiversidade do planeta. Sua devastação compromete o equilíbrio e a evolução ambiental local. Esse cenário, no Brasil e no exterior, somado às precárias condições de vida de parte significativa das populações que os habitam estão favorecendo o reaparecimento e a difusão das chamadas "doenças tropicais", como a febre amarela e a dengue hemorrágica no Brasil.

O estudo, tese de doutorado, mostra que as alterações ambientais e as condições socioeconômicas das áreas tropicais estão relacionadas à epidemia de doenças tropicais como a dengue hemorrágica e a febre amarela.

Intitulado As Áreas Tropicais Úmidas e as Febres Hemorrágicas Virais - Uma Abordagem Geográfica na Área Ambiental e de Saúde, a tese foi defendida em 2007 pelo professor do Departamento de Ciências do Ambiente da PUC-SP, Paulo Roberto Moraes.

Mais informações com Prof. Paulo Roberto Moraes, pelos telefones e-mail prmoraes@uol.com.br.

22 de abril, Dia Internacional da Terra

2008 é o Ano Internacional do Planeta Terra. O que temos feito para preservar e conservar?

quinta-feira, 10 de abril de 2008

Debatendo os desafios da educação ambiental

SATO, Michèle. "Debatendo os desafios da educação ambiental". In I Congresso de Educação Ambiental Pró Mar de Dentro. Rio Grande: Mestrado em Educação Ambiental, FURG & Pró Mar de Dentro, 17-21/maio/01.
RESUMO
Ao discutirmos sobre os desafios da Educação Ambiental (EA), inevitavelmente tratamos dos processos de avaliação de suas trajetórias. Tentando romper com a linearidade que determina a maioria das comunicações em EA, mostrando seus frutos, em detrimento de seus obstáculos, este texto busca um diálogo epistemológico que reinvente a EA, em uma perspectiva de construção-desconstrução, para superarmos determinadas dificuldades e utilizar-se da criatividade para ousar novas trajetórias. Nossa análise não é a tradicional metodologia de encontrar "certo e errado", muito menos de "culpados e inocentes", mas circunscreve-se na necessidade de reconhecer a limitação das potencialidades da EA. Abandonando os extremos de "ufanismo-conformismo" ou do "pessimismo-otimismo", visamos gerar um pequeno mal estar, para que a partir da crise gerada, possamos superar os conflitos. Embora as dificuldades sejam muitas, ancoraremos nossas reflexões na: a) a importância da compreensão política da EA e suas representações; b) na falácia do "desenvolvimento sustentável" e nas novas formas de superação; c) na dificuldade do trabalho em equipe, mas na riqueza dos processos de co-educação; d) na importância de um currículo fenomenológico que potencialize a escola como produtora das manifestações culturais; e) da necessidade de introduzir a EA na educação inicial e continuada; e finalmente, f) na fundamentação da pesquisa, como estratégia de compreensão adequada aos caminhos e trajetórias da EA.
Palavras-chaves: desafios da EA; espaços escolarizados; movimentos sociais e EA; processos interdisciplinares; pesquisa em EA.

Confira o texto na íntegra em:
http://www.partes.com.br/meio_ambiente/educacao.asp

O tamanho do desmatamento amazônico

Segundo a Agência Amazônia de Notícias (www.agenciaamazonia.com.br) Amazônia perdeu 320 mil campos de futebol em 2007. O diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Gilberto Câmara Neto, explicou finalmente hoje na Câmara dos Deputados o Projeto de Estimativa de Desflorestamento da Amazônia (Prodes), que monitora a Amazônia por satélite. Durante audiência pública sobre o desmatamento na Amazônia, ele dividiu o desmatamento na região em duas grandes modalidades: corte raso, ou corte e queima – método largamente usado nas décadas de 1970 e 1980, por ser rápido – e degradação progressiva, que vem ocorrendo desde o fim da década de 1990. Nesse aspecto, o desmatamento começa com a extração seletiva de madeira, depois se sucedem as queimadas, em seguida a semeadura do pasto, até o corte total da vegetação. "O processo se tornou conhecido por engana satélite, já que os produtores da área acreditavam ser possível fugir da fiscalização", comentou.

Aquecedor Solar, um auxílio sustentável

A cidade de São Paulo está a caminho da sustentabilidade. O que é muito bom! EmSão Paulo já há uma lei. O uso de aquecedores solares economiza cerca de 17.000 litros de água por ano em cada domicilio. Para a cidade de São Paulo, com aproximadamente de 11 milhões de habitantes a substituição dos chuveiros elétricos por aquecedores solares economizaria mais de 48 bilhões de litros de água por ano.


A cidade de São Paulo aprovou a Lei que torna obrigatório o uso de aquecedores solares nas novas edificações, onde através de grupos de trabalhos, calculou e analisou criteriosamente pontos como uso de água, energia, proteção do clima do planeta e no aumento de renda da população com a substituição do uso da energia elétrica e de combustíveis fósseis pela energia solar, ou seja, no desenvolvimento sustentável do país.


Um primeiro fato a constatar é que a decisão de usar mais ou menos água é feita pelo consumidor. O aquecedor solar pode ser utilizado com vazão de 3 litros por minuto, idêntica a do chuveiro elétrico, a exemplo do que é feito nas mais de 20 mil habitações de interesse social que hoje já usam os aquecedores solares. Portanto as vazões de consumo de água são exatamente as mesmas, ou seja, uma casa com padrão de banho de 3 litros por minuto, 8 minutos de banho e 4 moradores pode usar o chuveiro e o aquecedor solar consumindo para os banhos exatamente a mesma quantidade de água.


Segundo Carlos Faria, diretor do DASOL - Departamento Solar da Abrava - Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento e coordenador da Iniciativa Cidades Solares, "quem determina o volume de água usada no banho é o consumidor final e não o tipo de energia usada para o aquecimento de água de seu banho".


Há disponíveis no mercado vários modelos de chuveiros e duchas, com vazões de 3 a 60 litros por minutos, produtos estes produzidos pelos mesmos fabricantes e que atendem às três formas de aquecimento de água, solar, gás e elétrico. Desta forma, argumento Faria, "em um bom projeto, as vazões serão as mesmas, com exatamente a mesma quantidade de água, dando ao consumidor o poder de escolher que tipo de energia usar, para aquecer a água do seu banho".



O segundo fato é que para gerar energia elétrica nas usinas gasta-se muita água. 90% da água utilizada pelas usinas termelétricas evaporam, comprometendo assim a disponibilidade hídrica para outros usos nos rios brasileiros. Se alocarmos o consumo de água das usinas termelétricas aos distintos usos de eletricidade, a parte que cabe aos chuveiros elétricos é de aproximadamente 48 litros por domicilio por dia. Deste resultado podemos afirmar que o uso de aquecedores solares economiza cerca de 17.000 litros de água por ano e por domicilio. Para a cidade de São Paulo, com seus mais de 11 milhões de habitantes, a hipotética substituição dos chuveiros por aquecedores solares economizaria mais de 48 bilhões de litros de água por ano, e levando em consideração os 20 anos de vida útil que o equipamento solar tem, teremos economia de 960 bilhões de litros de água.


Segundo Faria, "podemos ainda analisar a questão do aquecimento solar por outro aspecto, a poluição gerada pelas termelétricas tem aspectos locais e globais, ligados diretamente às mudanças climáticas causadas pela queima de combustíveis fósseis. Os aquecedores solares têm muito a contribuir, e isto foi percebido pela maioria dos tomadores de decisão a nível global, como comprova a pesquisa realizada pela ONU em 2007".


A International Union for Conservation of Nature, realizou uma pesquisa que procurava avaliar quais tecnologias disponíveis que inspiravam mais confiança em sua capacidade de combater o aquecimento global. A pesquisa foi aplicada durante a reunião da Convenção do Clima da ONU (UNFCCC), realizada em Bali em dezembro de 2007 e o resultado apresentou que a solução com maior índice de aprovação na pesquisa, foi o uso de energia solar para aquecimento de água (74%). Nesta pesquisa, a IUCN ouviu mil integrantes de governos, de organizações não governamentais e do setor industrial de 105 países. (Texto Fonte Alessandra lopes - alessandra.lopes@mcocom.com.br

sábado, 5 de abril de 2008

Guerrilheiro



Guerrilheiro



Era uma saudação, saudade...
Uma imitação, vontade...
A exata e humana vontade de lutar.
Era apenas um grito, ou uma vontade?
Era talvez a extrema coragem perdida num campus
E no campo, a enxada, o voto e a coragem retomada,
Para tudo, ou quem sabe, para nada.
Quem sabe, num canto da história,
Num curso de um rio, no correr das águas de uma fonte,
Criávamos independência ou simplesmente resignação?
Tempo em que teciam-se guerrilhas e vestíamos fantasias.

 Poesia e fotografia de Gilberto da Silva

quinta-feira, 3 de abril de 2008

 Os velhos


A velha canção
O velho louco
passeando pela avenida.

A velha emoção
A velha, velha
surda nas buzinas.

O velho cantor
O cantador velho,
das velhas cantigas.

O velho, velho
velando na noite.

Velando as velas
Velando as velhas

O velho louco,
pouco e rouco

Na emoção
das velhas, velhas.

Do cantor
da cantiga tão velha
Velha de amor.

Velha que vela o velho.

E o cantador,
versificando versos velhos

Versos das ensurdecedoras
novas buzinas.

O surdo e velho
O surdo bate outra vez
E o velho que acorda,
Velho outra vez.

sábado, 29 de março de 2008

O dia em que a Cambarense detonou o glorioso Santos

1952, eu ainda não havia nascido, e no dia 18 de maio, na cidade de Cambará, no norte do Paraná, a população amante do futebol pode presenciar um espetáculo que dificilmente veria em outros tempos...

O futebol do Paraná encontrava-se em franca expansão para o interior. O CAMA de Monte Alegre consegue o quarto lugar e o Jacarezinho, o terceiro, na frente de clubes como o Ferroviário e o Atlético. O campeão foi, neste ano, o Coritiba. Em 1953, a Associação Atlética Cambarense, em seu segundo ano na Primeira Divisão, disputou o título até a última rodada com o time da Vila Capanema, o Ferroviário (Jogou assim: Augusto, Alceu, Baltazar, Belacosa, Bino, Botina, Carlito, César Frizzio, Deolindo, Rubens, Zequinha). Mas em Cambará, o time da casa havia vencido. Mas em 1954, devido a problemas financeiros a Cambarense desiste de disputar o campeonato paranaense. O time tinha sido fundado em 6 de janeiro de 1950.

Mas voltemos a pequena Cambará que naquele 18 de maio recebe o Santos Football Club para enfrentar o Atlético Cambaraense num jogo apitado por Amaral Sobrinho.

O amistoso rendeu CR$ 47, 109,00 e o amistoso termina em 4 x 2 para a Cambarense.. Não foi fácil ganhar daquele Santos de Manga, Expedito, Pascoal, Alemão, Cento e Nove, Nicacio, Góes e Canhoto. Era um timaço.

Pela Cambarense jogaram Nelsino (Tonico), Deolindo, Pelanca, Zé Antonio, Taubaté (Moreira), Augusto, Zezinho (Pé de Chumbo), Lamorares, Baltazar, Acir e Zequinha. Pelo Santos marcaram Alemão e Pascoal; pelo Cambaraense, Pé de Chumbo (2), Acir e Zequinha.

O amistoso ficou para a história do clube nascido na Vila Rubim, os cambaraense desfilaram contentes pela avenida Brasil.

http://www.partes.com.br/colunistas/gilbertosilva/cambaraense.asp