quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

A velhinha da Glória

Quem vê a velhinha graciosa e saltitante passear pelas ruas de Copacabana, faceira, leve e feliz nunca imagina seu passado. Ela é como um presente perpétuo. Na Glória de antigamente, a velhinha era imbatível com seu charme circulando pelas ruas do Russel, do Catete, pela ladeira da Glória e na Praça Nossa Senhora da Glória.
Não tinha páreo para ninguém tanta beleza deixava o mocinho de queixo caído.  Aquele corpinho graúdo, carioca, bronzeada pelo sol a perambular pelas ruas invoca pensamentos duvidosos nas mentes dos rapazes apaixonados. Ela não era fraca não! Teve muitos homens aos seus pés. Do bonitão tipo saradão da praia do Leblon ao feio e charmoso de qualquer canto da cidade todos se rendiam aos seus encantos.
Quando jovem e faceira arrumava um tempo para ir à praia, vestia-se num biquíni preto para quebrar as ondas e os olhos da masculinidade praiana e quiçá de meninas apaixonadas... já estávamos em tempos modernos e por intermédio de algumas fontes soube do amor de meninas por ela. Mas, sem preconceito, escolhera o gênero masculino.
Hoje quando eu a vejo na Avenida Atlântica caminhando para manter a forma esboço um sorriso de felicidade. Há se todas as mulheres fossem iguais a ela! Eu penso na ampliação da felicidade masculina.
Quando caia na noite varava a madrugada e adorava terminá-la namorando a lua e o sol chegando quase ao mesmo tempo.
Certa vez resolveu soltar a voz na areia da Barra. Pessoas estupefatas com o vozeirão que saia daquele mignon meigo e delicado. A galera parou para ouvi-la, os urubus assustados correram. A voz fluía em pedidos de bis.
E quando, delicada, resolveu dançar em praça pública! Rebuliço. Alvoroço. O namorado não entendia nada, atônico e perplexo. Foi o fim. Foi o fim mesmo. E ela detestava miolo mole e quadril pesado. Tinha que dançar, beber e amar muito.
Faceira caminha atualmente pelas ruas da cidade a contar histórias para seus netinhos e ensinando a viver plenamente com alegria e trabalho. Sim, pois mesmo com tanta beleza ela não quis vida fácil. Foi à luta, montou seu negócio, vendia imóveis, vendia seguros e automóveis. Sempre com um largo sorriso no rosto a ensinar para os mais novos o encanto da vida.
Quem gosta desta cena é um antigo namorado dos tempos da Glória que a vê pacientemente sentada num banco da praça e logo em seguida andando de mãos dadas com as crianças cantando mansamente uma canção bonita.
A velhinha esperta namorou muito. Casou, separou, casou, separou, casou, separou, parou. Sim, teve uma hora que cansou e “só namorou” e “só namora” até hoje. 

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Pontes do passado


Por aqueles caminhos não mais passaremos
Ficaremos de volta ao passado admirando a paisagem
Onde dia e noite
horas a fio
sentíamos a brisa das manhãs.


As árvores foram cortadas.
O lago poluído.
A ponte quebrada.
As palavras secaram.

O trilho cimentado
impermeabiliza nosso sentimento.

Aquele raio de luz ainda deve vagar por algum lugar.


segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Simetria

Foto: Gilberto da Silva/p@rtes
Já tentei ver simetria onde nada havia
Procurei a noite onde o dia existia.

Não, não temos espaços tão vazios
apenas não ocupamos nossos dias
como devíamos.

Se volto para a claridão do Sol
uma cadeira
um guarda
um sol
um dia
não havia

Contarei todas as linhas,
delimitarei as retas
ou molharei meus pés na água fria.

Miguel, o cavaleiro da honestidade

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Revista Virtual Partes - Livros - Movendo a aridez da Física

Em seu primeiro livro, Margarete Hülsendeger, gaúcha natural de Porto Alegre, professora de Física em escolas particulares une o conhecimento racional e experiência em salas de aula para além da dureza das "exatas" introduzir quase que meigamente pedras como Einstein, Paracelso, Kelpler, Galileu, Giordano Bruno e Heisenberger entre outros.

Revista Virtual Partes - Livros - Movendo a aridez da Física

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Quem vai ficar?

Todo jogador de futebol quando completar 18 anos deve ir jogar na Europa. Toda cantora decadente quando completar a "melhor idade" deve ir trabalhar nos EUA. As crianças em idade escolar quando entrar no ensino fundamental deve ir para um segundo país completar seu aprendizado de línguas. O jornalista para ficar mais experiente deve trabalhar numa sucursal da BBC, ou como correspondente num país desenvolvido. Todo cientista deve trabalhar no exterior para desenvolver seus talentos com maior eficácia.


O policial também deve ser encaminhado para uma instituição tipo SUAT ou algum genérico europeu para aprender táticas de segurança. Os aposentados deveriam ter cadeira permanente nos organismos de turismo internacional. Toda modelo deve ir trabalhar nas agências internacionais. Todo cineasta deve produzir um filme em Hollywood. Todo catador de lixo deve fazer estágio no exterior para conhecer a riqueza do lixo deles. Todo politico deveria aprender as técnicas da politica em algum parlamento europeu.


Toda dona de casa deveria comprar sempre em um supermercado americano. toda criança só deveria consumir produtos de qualidade importados. Todo artista para ser reconhecido deveria ir trabalhar lá fora. Aqui não dá. Aqui não dá. Ninguém quer ficar. Todo mundo acha isto daqui um lixo. Sendo assim quem vai ficar?


Que voltem os "descobridores"? Os bandeirantes? 


Toda criança pobre ao nascer deveria ir para a Europa ou ao norte da América. Aqui não dá. Aqui não dá.


Assim caminhamos com nosso ideologia tupiniquim sempre pensando que o pior está para acontecer, sempre achando que além do horizonte deve existir um lugar tranquilo para viver em paz. Quem vai ficar?


Quem ficar não precisa apagar a luz: ela já está apagada.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Econotas: Calçadas acessíveis e verdes

Econotas: Calçadas acessíveis e verdes: "Andar pelas calçadas da cidade é um grande desafio . A cartilha da Prefeitura de São Paulo seguindo a Lei 13.646, de 2003 diz que devemos ..."

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Um ser Singular




Um ser Singular

Deixe para quem quiser ler um pouco da história de um homem simples....

http://issuu.com/gilbertodasilva/docs/sersingular?mode=a_p

domingo, 5 de junho de 2011

Oração ao São PAI-Oci

Senhor, PAI-OCI, dos miseráveis,
Elevai nossa conta bancária,
Assim como elevastes a sua!


Senhor PAI-OCI dos servidores,
ensinai como multiplicar nossos salários,
que a década encontra-se subtraída!


Senhor PAI-OCI, dái-nos sabedoria,
paciência, perseverança para alcançar o sucesso.
Ensina aos pobres pecadores a arte de ser um operador


Querer, queremos, ó PAI-OCI,
só não temos o caminho,
abra, como Abrão, os trechos encobertos,
mostra para os oprimidos, como realizar o milagre!


Ofertai as contas gordas,
afugentai as vacas magras,
traga o fermento do pão milagroso,
que virá quem sabe em conta gotas em nossos holerites.


Mas, acima de tudo, não esqueça dos desamparados,
Daqueles que acreditaram em vós,
como fonte da salvação,
como elixir dos milagres!

quarta-feira, 25 de maio de 2011

O Novo Código Florestal

Imaginem este novo código que foi formado na floresta encantada do planalto central. Comunistas e ruralistas juntos por um mesmo ideal. Pera ai, alguma coisa pós-muro de Berlim deve estar errado. Ou todos eles estão certos em defenderem interesses eleitorais e não da natureza?

sexta-feira, 6 de maio de 2011

A herança de 1968, a questão da ideologia e a permanência do pensamento utópico

O presente estudo tem como suporte as questões sobre utopia e ideologia que Fredric Jameson discute no texto A Política da Utopia.  Estabelece uma discussão a partir das convulsões políticas e culturais do maio de 1968 que teve em Guy Debord e na Internacional Situacionista seu ponto culminante. As lições evocatórias do maio de 68, momento da crítica da sociedade do espetáculo, do espetacular concentrado, do capitalismo burocrático (stalinismo) e do espetacular difuso (da abundância do capitalismo) e a sua permanência no nosso imaginário coletivo demarcaram as novas necessidades e formas de encarar e pensar a sociedade. Estas lições nos ensinaram de que é possível superar a ideologia do conformismo, o fundamentalismo do mercado e para além da sociedade do espetáculo e da ansiedade, sonhar (e lutar) por uma sociedade mais justa, menos excludente, de respeito à diferença. Podemos reinventar o social: sonhar a utopia?


Leia mais em:
http://www.partes.com.br/politica/gilbertosilva/herancade1968.asp

sábado, 26 de março de 2011

Perdas e muitos danos

A bela atriz não aguenta a dor da perda. A dor da perda é via de regra insuportável. As vezes precisamos da ajuda psiquiátrica, outras de um simples gesto de amor e amizade.. E não adianta afogar a tristeza na bebida. Há amor sem dor? Então lutemos contra o luto.
Como na lenda do Boto a alma perdida quer voltar. E ficamos, como bem diz Tom Jobim, e ficamos com vontade de ir.
Então saia que o corpo do outro não te pertence! Não basta a felicidade material, a disponibilidade do tudo mercado. Sem amor não há alma.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Nossa que violência! (02)

O Caetano viu um menino correndo. Viu a rua. Quantos jovens ainda continuam correndo e morrendo nas ruas....
Quanto insensatez!

quinta-feira, 10 de março de 2011

Nossa que violência! (01)

Quando uma pessoa se irrita há a  X possibilidade de cometer ato que não satisfará todas as pessoas. Também encontrará Y de possibilidade de outras gostarem. Mas tudo isto não importará se uma pessoa irritada não ultrapassar seus limites. Ninguém merece a irritação de outrem. Afinal, vocês tem remédios para um chateado? Eu não tenho. Quem tem?

quarta-feira, 9 de março de 2011

Oração pela sustentabilidade

Senhor,
Fazei de mim, não apenas um eco-chato, mas dê-me a força para fazer algo de bom para o planeta. Que o equilíbrio medeie nossas ações e nossas relações. Não me transforme num super-herói, nem num exemplo. Que eu seja apenas um entre muitos a semear a biodiversidade, a cultivar a sustentabilidade e praticar a cultura de paz.
Se o aquecimento é global, conceda-me uma planta para plantar, um jardim para cuidar, uma flor para distribuir. Enquanto há luz, forneça-me razões para economizar, brilho para inventar, saúde para criar.
Fazei-me de mim um instrumento de ação cotidiana.
Permita a todos o poder de fazer o bem. Que façamos nossas cisternas, arborizemos nossas praças e cuidemos dela. Consinta que zelemos por nossas ruas, nosso ar, nossos córregos e rios.

Senhor,
Escute nossas críticas, mas ouça nossas propostas.  
Não deixe que a ociosidade penetre em nossos corações e não nos permita ser enganados. Que meus atos sejam políticos todos os dias em prol da sustentabilidade. Que eu seja mais humano, mais generoso. Que eu possa praticar o bem sem que seja por mera obrigação.
Que eu possa ver a beleza, onde hoje só enxergo a feiúra e a devastação.

Senhor,
Não deixai que o consumismo invada meu coração. Não deixai que o lixo invada nosso universo e muito menos nossa alma.
Que eu possa salvar apenas uma espécie no planeta: dessa forma já contribuirei com a diversidade. Que eu possa não apenas falar, mas agir. Que eu possa não apenas lamentar, mas propor: assim minha parte da Agenda 21 será cumprida. Que eu possa não apenas reclamar, mas trabalhar. Que eu possa a cada dia ajudar de forma proativa no desenvolvimento sustentável.
Dê-me forças para lutar sempre. Você perdoa, a natureza não.

Gilberto da Silva
econotas@partes.com.br

terça-feira, 8 de março de 2011

Você cabe num poema?

Existem pessoas que não cabem num poema..........
 
Gilberto da Silva
 publicado em 08/03/2011

http://www.partes.com.br/poesias/gilbertosilva/cabernopeoma.asp

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

O sono de Sofia

Sofia sofre. As dores nas costas aumentam a cada dia que passa. Não bastasse os pés doloridos, calejados pela jornada de anos e anos a fio amassando barro e poeira na periferia. Tempos de labuta, quando caminhava horas e horas por uma estrada quase deserta até chegar à escola, onde lecionava.
O tempo passou, as condições de vida melhoraram e Sofia, moça, bonita, e sempre dedicada ao trabalho e à familia, no vai e vem do trem, conseguiu um bem e sucedido marido. Amparada financeiramente, já que o Estado não lhe davas boas condições financeira e pedagógica, Sofia viu, na nova condição, sua qualidade de vida melhorar.


Mas Sofia ainda sofria. No frio as dores aumentavam. Não só os pés. As dores teimavam agora pelas costas. Sinais de cansaço. Seu marido, corretor de sucesso, bom amante, dedicado e supostamente fiel decidiu comprar um bom colchão para a amada. Encantou-se com a propaganda da Sertão Sonos SA. Um colchão suave, macio, lindo, próprio para as dores nas costas foi adquirido. "Para dormir nas nuvens", assim indicava a propaganda da mercadoria sertanística. Às nuvens foi Sofia ao receber o presente. E ao paraíso foi seu marido na primeira noite.


Dois meses depois iniciava o pesadelo. O colchão, como aquele de palha que o pai de Sofia usava no sítio, literalmente veio ao chão. Das nuvens ao chão!
Seu marido irritado, possesso procurou a empresa para reclamar.
- Alô, é da Sertão Sonos SA?
- Sim, em que posso estar ajudando? Gemeu uma voz do outro lado.
- Minha senhora, comprei um colchão da sua empresa e em menos de dois meses ele literalmente veio ao chão. Quebrou. Afundou.
- O senhor tem nota fiscal?
- Sim
- Vou estar verificando se a mesma encontra-se na garantia...
_ Mas a garantia dada é para três anos!!!!
- Senhor, mesmo assim tenho que estar verificando. São normas da firma. Vou estar confirmando com outro setor da empresa. Um minuto....
Três longos minutos se passaram até que a gemedeira voltou:
- Senhor, vou estar agendando um técnico para estar indo até o local.
- Hoje mesmo? Arriscou o marido desconfiado.
- Senhor, não há prazo definido para a visita. Vamos estar agendando. Outros pedidos estão na frente. Em que mais posso estar ajudando?
A paciência do marido já estava esgotando e o melhor era desligar.


Desligado. A irritação do marido de Sofia só aumentou. Dez dias passados e numa tarde chuvosa aparece na casa de Sofia, o técnico das famosas Sertão Sonos SA, sempre levando alguém para as nuvens...
- Boa tarde senhora! Qual é o problema?
- Meu colchão simplesmente desabou. Virou palha!
- Hummmmmmmm, estranho. Posso verificar?
- Claro, entre....
E lá foi o especialista em colchões para o quarto de Sofia verificar o dito cujo. Vira daqui, fuça dali, levanta acolá e nada. Olhar experiente, analítico, decreta:
- Minha senhora, não posso fazer nada. O material utilizado para compor a estrutura da mercadoria é importada, vem da nossa matriz, lá das "oropas". A senhora vai ter que pedir para a empresa trocar o colchão. Mas para isto terá que ligar novamente para a empresa para ela abrir um protocolo. E esperar.
- É possível trocar por outro? 
- Sim - disse o técnico e com certeza pensando: "é possível, mas não será fácil".


Mais dois meses e nada....


Sofia desde então tem tentado de tudo e até abriu uma comunidade numa rede de relacionamentos intitulada "Quero meu colchão e o meu sono de volta". Mas está tudo difícil. Sofia ainda sofre.
A Sertão Sonos agradece...

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Preciso de modernidade musical?

Tem momentos que o melhor a fazer é voltar-se para si. Pensar, refletir, até dormir um pouco mais. Assim nosso aprendizado melhora. Tenho ouvido muita musica das décadas de 1970, 1980 e 1990. Muita coisa boa, que o tempo ainda não destruiu. Que maravilha! Sambas, MPBs (ainda existe essa coisa?). Algumas pérolas são encontradas, outras nem tantas... Nem sei o que tem de novidade no cenário musical. E vou levando na cabeça rotações musicais de Chico, Paulinho da Viola, a mineirada toda (Milton, Guedes, Horta e cia.), os cearenses Ednardo, Amelinha, Belchior e Fagner. Os sambas de Monarco, Beth Carvalho, Alfaiate, Originais do Samba, Wilson Simonal, Agepe. No meio desse todo: Flora Purim, Baden Powell (que redescoberta Fenomenal!), Caetano - o sempre bom e polêmico com sua baianidade internacional. Egberto Gismonti entra com seus sons geniais. Edu Lobo, Diana Pequeno, Ruy Mauriti, Ivan Lins, Elis, Gal e Maria Bethania. Nara Leão (que suavidade nos meus ouvidos!), Jorge Ben e seu balanço insubstituível. E eu preciso de modernidade??????

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Náuseas euclidianas

"É difícil imaginar que os indivíduos e as sociedades que se regem pela busca do prazer, tanto ou ainda mais do que pela fuga à dor, consigam sobreviver"

Antônio R. Damásio in O Erro de Descartes.





As vezes sinto uma vontade enorme de vomitar. De espalhar por toda o ambiente aquela gosma tratada pelo digestivo. Algumas - as vezes muitas - coisas me aborrecem. Uma que me deixa doido é falta de ética, de pessoas que mandam textos para serem publicados no meu site descaradamente copiados de outros. Sinto náusea. Sinto uma dor enorme para estes espíritos vivaldinos, safadinhos e imorais. Não que eu deteste imoralidades. Mas as que engordam, eu vomito. Para estes peço aos espíritas que orem por suas almas e peço aos radicais que os levem ao "paredón"! Com meu comportamento humano, sempre preocupado em oferecer o melhor entrego a alma do infeliz para Emannuel e o corpo para Fidel.


Outra coisa que torra meu baixo ventre é a "Sindrome do Eterno Retorno ao Poder". Sensação de asco que senti ao ver aquele professor que outrora tomava as tribunas da associação paulista dos professores e vociferava seu marxismo estalinista, receber de bom tom e com toda felicidade o atual alcaide paulistano numa rua da cidade. Como as coisas mudam, não é Euclides? Sintomas da democracia...


Ainda regurgitando lembro de lambe botas de todas as estirpes. Como é bom o tempo passar. É por isso que desejo morrer o mais tarde possível! Assim tenho história para contar aos meus netos. Pode demorar, mas aos poucos eles vão conhecendo seus algozes...


Euclides, toma jeito! Você vai ficar falado, vai desfilar com gente nova, vai ganhar dinheiro... vai valer a pena? Euclides tú vai vender a alma, a mulher, a amante, os filhos tudo em nome de uma lealdade estranha. Euclides, vou ler uma oráculo do Baltazar Grácian para você:
"A consaguinidade não basta, nem a amizade, nem mesmo o mais forte senso de obrigação, pois dar a alguém o coração é muito diferente de dar-lhe a vontade. A união mais íntima admite excessão; nem por isso se ofendem as leis da cortesia. Não contamos todos os segredos a um amigo, e nem um filho revela tudo ao pai. De algumas coisas calamos com uns e falamos a outros e vice-versa, de modo que confessamos tudo e retemos tudo, dependendo do confidente."

Como viu, Euclides, apesar das náuseas deu tempo de ir buscar um filósofo cristão na prateleira. Outra coisa que detesto e vomito ao receber são piadinhas ridículas sobre o Lula, sobre o Serra, sobre o Kassab e sobre o Ronaldo Fenômeno e sobre a mulher do outro. o Outro é sempre o Outro depende do lado que você está. Portanto, a mulher de lá pode ser a mulher de cá. Sempre ali está presente um pouco de ressentimento, de ódio, de racismo, de preconceito.


Bem Euclides, seu xará já dizia que dados dois pontos, há um segmento de reta que os une; que um segmento de reta pode ser prolongado indefinidamente para construir uma reta; que dado um ponto qualquer e uma distância qualquer pode-se construir um círculo de centro naquele ponto e com raio igual à distância dada, mas na Política nem todos os ângulos retos são iguais. Há sempre uma curva no meio do caminho. Há sempre um ponto além de outro ponto e há sempre um círculo fora do raio.


Agora, que dei uma pausa no texto e tomei um "TUMS", rico em cálcio, posso respirar mais aliviado. Creio que sou ainda uma besta que vê tudo e ainda acredita nas pessoas. Não, preciso vomitar novamente e minha garganta nunca sara.

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Cades Ipiranga

O Conselho de Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente e Cultura de Paz (CADES) da região do Ipiranga está com novos membros da sociedade civil. Os eleitos vão trabalhar com propostas para defesa do Meio Ambiente.  Além do Denival, temos os seguintes conselheiros civis: o sempre atuante Celso Henriques de Paula; a jovem ambientalista Rita Juliana de Oliveira; o comerciário Paulo Evaristo dos Santos Geraldo; a jornalista Maria Fátima Chueco Bonvino; o ex-supervisor de esportes Fernando de Jesus Ribeiro; a funcionária pública Marina de Paula Marcon Guidoni e o advogado Nelson da Silva Junior.

Asubprefeita Vitória Brasília de Souza Lima entregou em dezembro pessoalmente o diploma de posse e parabenizou a todos pelo desempenho eleitoral

Juntos com representantes de diversas secretarias municipais, os conselheiros civis compõe um fórum cujo objetivo é executar ações que contribuam para a melhoria da qualidade socioambiental da região e colaboram na formulação de políticas públicas para a proteção ambiental e na implantação de programas que fomentem a cultura de paz e a implementação da Agenda 21 Local.

Aprimeira reunião foi realizada no dia 26 de janeiro de 2011, e a segunda no dia 02 de fevereiro. As reuniões são mensais e aberta para toda a participação da população.

O Cades é um órgão consultivo e deliberativo, que integra sociedade civil e poder público, na busca de ações e atividades visando, entre outras atribuições, receber propostas e denúncias a serem encaminhadas dentro de questões relacionadas à preservação, conservação, defesa, recuperação e melhoria do meioambiente.

As próximas reuniões serão realizadas em março, dia 02; abril, 06; maio, 04; junho  01; julho,  06; agosto, 03; setembro,14; outubro, 05; novembro,09 e dezembro, 07. Sempre às quartas-feiras, das 19h00 as 21h00 na subprefeitura Ipiranga, Rua Lino Coutinho,444